3 Maneiras de procrastinar e como resolver

O procrastinador pode ser motivado a fazer tarefas difíceis, convenientes e importantes, desde que essas tarefas sejam uma forma de não fazer algo ainda mais importante.

Todos os procrastinadores adiam as coisas que precisam fazer. A ideia central é que a procrastinação não significa que você não vai fazer absolutamente nada.

Segundo Robert Benchley, “qualquer um consegue fazer qualquer quantidade de trabalho, quando não deveria estar fazendo isso naquele momento”.

Procrastinadores raramente não fazem absolutamente nada: eles fazem coisas úteis como criar um diagrama de como vão reorganizar seus arquivos quando se decidirem a iniciar.

Por que o procrastinador faz essas coisas?

Porque são uma forma de não fazer algo mais importante.

Em geral, procrastinadores seguem exatamente um caminho que não é reto. Tentam minimizar seus compromissos, supondo que, se tiverem poucas coisas para fazer, vão deixar de procrastinar e fazer tudo. Mas isso vai na direção contrária da natureza básica do procrastinador e destrói sua mais importante fonte de motivação.

Segundo estudos, a solução é criar listas com “outras” tarefas além das que parecem mais urgentes e importantes e colocar algumas no topo.

O procrastinador, segundo os pesquisadores, “evita” as tarefas do topo da lista, supostamente as mais importantes.

E o que poderia ser mais nobre do que usar um defeito de caráter para superar os efeitos negativos de outro?

Há alguma forma de se tornar menos procrastinador?

O que vem primeiro — a procrastinação ou o perfeccionismo? John Perry acha que o perfeccionismo leva à procrastinação.

Muitos procrastinadores não percebem que são perfeccionistas, pela simples razão de que nunca fizeram nem sentiram que algo que fizeram fosse perfeito.

Pensamos, quase sempre equivocadamente, que ser um perfeccionista implica, geralmente, ter completado alguma tarefa com perfeição. Mas esse é um erro da dinâmica básica do perfeccionismo.

Como a fantasia de perfeição alimenta a procrastinação?

Bem, não é nada fácil fazer as coisas com perfeição. No geral, é preciso muito tempo. E do cenário apropriado.

Procrastinar também é uma maneira de dar a si mesmo, permissão para fazer de forma não tão perfeita tarefas que não exigiam um trabalho perfeito.

Em teoria, enquanto o prazo final está distante, há muito tempo para pesquisar e se preparar para uma longa jornada e fazer um trabalho completo, acadêmico e perfeito.

Porém, quando não há mais tempo para fazer um trabalho perfeito, só resta sentar e fazer um trabalho imperfeito, mas adequado.

Há algo que podemos fazer sobre isso?

Há, mas exige um pouco de autodisciplina. O que é preciso fazer para controlar as próprias fantasias perfeccionistas chama-se triagem de tarefa.

Triagem, basicamente, significa separar tarefas de acordo com a urgência.

Você precisa conquistar o hábito de se forçar a analisar, no momento em que aceita uma tarefa, os custos e benefícios de fazer um trabalho não tão perfeito.

Precisamos examinar algumas questões:

  1. quão útil seria um trabalho perfeito aqui?
  2. Quão útil seria um trabalho meramente adequado?
  3. Ou até um trabalho incompleto?

Geralmente a resposta será que um trabalho não tão perfeito funciona bem. Então eu me permito fazer um trabalho não tão perfeito agora, em vez de esperar até que a tarefa esteja atrasada.

O que significa que posso realizá-la agora.

Lista de tarefas diárias

Muitos procrastinadores usam uma lista assim. A função principal da lista de tarefas diária é dar ao procrastinador a experiência de riscar tarefas quando são terminadas.

Fazer uma marca ao lado do item, ou riscá-la de alguma forma, nos dá um pequeno impulso psicológico.

Você pode usar seu computador para fazer sua lista de tarefas. Há vários programas e sites — por exemplo, Outlook, Gmail e LazyMeter.com — vão gerar ótimas listas para você.

O segredo é dividir grandes tarefas em pequenas tarefas e receber cumprimentos por conseguir realizar cada uma delas.

No livro “Um pequeno passo pode mudar sua vida”, de Robert Maurer, ele menciona o Kaizen, que é uma filosofia japonesa de melhorias contínuas através de pequenos passos implementáveis.

Realizar a grande tarefa através de uma série de pequenos atos é um processo empregado por um grande número de empreendedores.

Ver também Como vencer a Procrastinação.

Deixe um Comentário

* Indicar Campos Obrigatórios